PENSÃO POR MORTE: QUEM TEM DIREITO? COMO PEDIR? QUANTO RECEBER? ENTENDA AQUI!

Todo trabalhador que contribua para a Previdência Social (INSS) tem direito, em caso de falecimento, de deixar uma pensão por morte aos seus dependentes. No entanto, muitas dúvidas pairam sobre a maioria dessas pessoas – afinal, muita pouca gente gosta de pensar num assunto tão delicado.

O que buscamos aqui é esclarecer suas dúvidas e garantir que você não perca nenhum dos seus direitos. Então, entenda melhor as principais dúvidas sobre como funciona tal benefício e como ingressar com o pedido.

Como adiantamos, a pensão por morte é um benefício social, de caráter previdenciário, pago pelo INSS àqueles que sejam dependentes de um trabalhador segurado (que contribuía para a Previdência) que venha a falecer ou seja reconhecido morto (a exemplo de quando está desaparecido e a Justiça declara sua morte).

Esse benefício é direito do trabalhador segurado na ativa e do aposentado.

A 1ª e mais comum dúvida é: MAS QUEM TEM DIREITO?

  • Se você é filho com até 21 anos do trabalhador falecido, tem direito. Se o filho tiver invalidez ou deficiência, durante toda a sua vida.
  • Se você é esposo ou esposa, companheiro em união estável ou ex-cônjuge (divorciado ou separado judicialmente, desde que recebesse pensão alimentícia do falecido) também terá direito.
  • Se o falecido for solteiro e não tiver filhos, os pais do trabalhador segurado poderão pleitear o benefício, desde que provem que dele dependiam financeiramente.
  • Se, por fim, os pais do falecido já não forem vivos ou se não dependiam economicamente dele, os irmãos podem pleitear o benefício, mas com a exigência dúplice de comprovar a dependência econômica e até o limite de 21 anos de idade (salvo casos de invalidez ou deficiência, que estenderão para a vida toda).

É importante ressaltar que, independentemente da quantidade de dependentes, o valor do benefício é único (e, portanto, será dividido igualmente em relação à quantidade de pessoas que tenham de ser beneficiadas).

E QUAIS OS REQUISITOS TÊM QUE SER CUMPRIDOS?

Como antecipamos, tem direito ao benefício tanto o trabalhador falecido que estava na ativa, quanto o aposentado (que já recebe benefício do INSS).

Se o trabalhador não era aposentado, tinha de estar contribuindo para a Previdência Social ou, ainda que não estivesse contribuindo naquela data, estivesse em período que ainda detinha a condição de segurado (a depender do tipo de segurado, do tempo que contribuiu e se foi demitido ou não).

E QUAL O VALOR DA PENSÃO POR MORTE?

Se o trabalhador falecido era aposentado, a pensão é composta de 50% do valor da aposentadoria acrescido de 10% para cada dependente, limitado ao valor de 100%.

Se, por outro lado, não era aposentado, o cálculo considera 60% da média salarial calculada com todos os salários de contribuição a partir de julho de 1994, acrescendo dois pontos percentuais a cada ano de contribuição que exceda os 15 anos (para mulheres) ou 20 anos (para homens), também até o limite de 100%. Com esse resultado, aplica-se a mesma regra do anterior, ou seja, considera 50% desse valor com acréscimo de 10% por cada dependente.

É importante saber que, se o falecimento decorre de acidente de trabalho, doença profissional ou do trabalho, os cálculos consideram 100% da média do salário de contribuição – e essa situação também se aplica caso o dependente seja inválido ou tenha grave deficiência intelectual ou mental.

ATENÇÃO! A pensão por morte não pode ser inferior a um salário-mínimo nacional vigente e não pode superar o teto dos benefícios previdenciários.

QUANTO TEMPO DEMORA PARA CONSEGUIR RECEBER O BENEFÍCIO?

A lei determina que o INSS conceda o benefício em até 45 dias do ingresso do pedido pelos dependentes. No entanto, como sabemos, a Previdência Social, atualmente, tem alta demanda e não vêm cumprindo com essa obrigação.

QUAL INÍCIO DE VIGÊNCIA DO BENEFÍCIO?

Para os dependentes que ingressarem com o pedido em até 90 dias do falecimento do segurado, a pensão será paga desde a data da morte, de modo retroativo. Para pedidos posteriores a 90 dias do falecimento, a data de início será a do pedido.

Se os dependentes forem menores de 16 anos ou incapazes, o prazo para receber o benefício desde a data da morte dobra, ou seja, podem dar entrada em até 180 dias do falecimento do segurado.

QUANTO TEMPO DURA O BENEFÍCIO?

Para os dependentes que sejam filhos, pais ou irmãos, já tratamos logo no início desse artigo: filhos, até completarem 21 anos (salvo em caso de invalidez ou deficiência); pais, desde que comprovem a dependência financeira; irmãos, desde que comprovem dependência até os 21 anos de idade.

Para esposo ou esposa, companheiro, cônjuge divorciado ou separado que recebia pensão alimentícia, terão direito:

  • A quatro meses de pensão: se, à época da morte, o segurado falecido tinha realizado 18 contribuições mensais ao INSS ou se o casamento ou união estável tenha iniciado em até 2 anos antes da morte.
  • Se o falecido tinha tempo de contribuição superior a 18 meses e o casamento/união tinha mais de 2 anos à época da morte, o benefício variará conforme a idade do dependente (com menos de 21 anos, durará 3 anos; entre 21 e 26 anos, durará 6 anos; entre 27 e 29 anos, 10 anos de pensão; entre 30 e 40 anos, 15 anos; entre 41 e 43 anos, 20 anos de pensão; a partir de 44 anos, a pensão será vitalícia, até o falecimento do dependente).

É importante ressalvar que, caso a morte tenha ocorrido em razão de acidente, não se exige a contribuição mínima de 18 meses.

E QUANDO ALGUM DOS DEPENDENTES DEIXA DE RECEBER, O BENEFÍCIO CONTINUA O MESMO?

Não. Como dissemos, cada dependente recebe a sua parte do benefício independentemente do outro. Desse modo, se tomarmos o exemplo do filho que atinge 21 anos, cessando o seu benefício, os demais dependentes continuarão recebendo a mesma parte que já recebiam, de modo que a parte do filho maior de 21 anos não é rateada entre os demais, mas efetivamente excluída.

O CÔNJUGE DO FALECIDO PODE VOLTAR A SE CASAR SEM PERDER A PENSÃO?

Sim. O novo casamento não impedirá a percepção do benefício da pensão pela morte do cônjuge anterior.

Você já sabia dessas informações? Ainda ficou com alguma dúvida? Ou agora, sabendo dos seus direitos, quer consultar um advogado especializado em Direito do Trabalho?

A Nakahashi Advogados está há mais de 12 anos no mercado de atuação em São Paulo e na grande São Paulo, formado por advogados experientes que permite encontrar soluções inovadoras para nossos clientes. Melhor recomendação. Nossa equipe já atuou em mais de 4.753 casos.

É por isso que também usamos o WhatsApp online, fornecendo uma alternativa rápida e eficaz para nos comunicarmos

Atendemos na capital São Paulo Capital, Zona Sul SP, Zona Leste, Zona Norte, Zona Oeste, Centro, além da grande São Paulo.

Ligue agora (11) 3392-7510 para falar com nossos advogados especialistas – clique abaixo

Ligue agora (11) 3392-7510 e agende sua reunião SEM COMPROMISSO E SEM CUSTO!

Entre em contato com a gente!

NAKAHASHI Advogados

contato@nakahashi.com.br

Comentários do Facebook
Rolar para cima