Pejotização e Vínculo Empregatício: Entenda seus Direitos como Trabalhador

A contratação através de uma Pessoa Jurídica (PJ) tem sido uma prática comum no mundo corporativo, provocando diversos questionamentos sobre seus efeitos nas leis trabalhistas. Neste artigo, exploraremos detalhadamente esse tema complexo, passando a fornecer a você, trabalhador, o conhecimento necessário para proteger seus direitos.

O que é uma contratação pela Pessoa Jurídica (PJ) ?

Antes de entrarmos em detalhes, é essencial compreender que uma contratação por Pessoa Jurídica envolve um contrato civil entre empresas, em que o contratado ou prestador de serviços deve possuir um Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) ativo na Receita Federal. Nesse modelo, o prestador emite notas fiscais pelos serviços prestados, sendo, em tese, um autônomo sem vínculo empregatício com o contratante.

O prestador é contratado para realizar um trabalho específico, com prazo estipulado em contrato, e possui a liberdade de prestar serviços para diversas empresas, podendo até mesmo contratar ou subcontratar outras pessoas.

Existem diversas classificações de pessoa jurídica, incluindo o Empresário Individual (EI), o Micro Empreendedor Individual (MEI) e a Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI), cada um com características e obrigações específicas.

Além disso, o prestador de serviços deve cumprir todas as obrigações de uma empresa, como elaborar relatórios, calcular e cobrar o Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e pagar o Imposto sobre Serviços (ISS), entre outros.

Por quê as empresas estão optando pelo modelo PJ?

Optar pelo modelo de contratação por Pessoa Jurídica (PJ), tem sido cada vez mais recorrente e os motivos que levam a tomar essas decisões, são vários e se diversificam conforme a situação de cada empresa. Alguns dos motivos que levam as empresas a escolherem esse modelo:

  • Redução de Custos: Uma das razões mais citadas é a redução de custos trabalhistas e encargos sociais. Ao contratar um trabalhador como PJ, a empresa não precisa arcar com despesas como Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), remuneradas, 13º salário, vale-transporte e outros benefícios típicos de um funcionário registrado.
  • Flexibilidade: A contratação pela PJ oferece às empresas maior flexibilidade para ajustar sua força de trabalho de acordo com a demanda. Isso significa que eles podem contratar profissionais temporariamente para projetos específicos, sem a obrigação de mantê-los em períodos de menor demanda.
  • Redução da Burocracia: A contratação de PJ pode ser menos burocrática do que a contratação de empregados com carteira assinada. Isso pode incluir processos simplificados de admissão e demissão, bem como menos obrigações legais e fiscais.
  • Menos Encargos Trabalhistas : No modelo de PJ, as empresas não precisam lidar com questões como horas extras, licenças médicas, transferências e outros aspectos regulatórios que são comuns em contratos de trabalho tradicionais.

Quando a Contratação por PJ Configura Vínculo Empregatício?

Uma das questões mais delicadas relacionadas à contratação por PJ é quando essa relação de trabalho se assemelha, na prática, a um vínculo empregatício. Isso ocorre quando são preenchidos os requisitos de um empresário sob a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que são:

  • Pessoalidade: O empregado é uma pessoa física que trabalha diretamente para o empregador. Ele não pode contratar outra pessoa para executar seu trabalho.
  • Habitualidade: O trabalho é realizado de forma regular e rotineira, não esporadicamente.
  • Onerosidade: O funcionário trabalha com expectativa de receber uma remuneração financeira.
  • Subordinação: O empregador segue as regras e ordens do empregador, podendo ser anunciado, suspenso ou demitido em caso de não cumprimento.

Definição de empregado, conforme Art. 3 da CLT: Considera-se empregado toda pessoa física que prestar serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste e mediante salário.

Em situações em que o prestador de serviços começa a receber ordens, cumprir horários e ter uma relação de cobranças, seja de meta ou de horários, com a empresa, evidenciam-se as obrigações de um vínculo empregatício. Com isso, dando abertura para o prestador solicitar reconhecimento do vínculo empregatício. Esse cenário é preocupante, pois algumas empresas utilizam esse modelo de contrato para evitar encargos trabalhistas, o que é considerado uma fraude.

O Que Não Caracteriza Vínculo Empregatício?

A ausência de qualquer um dos requisitos mencionados acima não caracteriza um vínculo empregatício. É importante ressaltar que esses requisitos são cumulativos, ou seja, todos devem estar presentes para que um vínculo empregatício seja ativado, ou seja mesmo que em seu ambiente de trabalho, cumprir os 3 requisitos, caso falte apenas um, o vínculo empregatício é descaracterizado.

Sou PJ e estou cumprindo os requisitos de um CLT! Quais Provas São Necessárias para Demonstrar um Vínculo Empregatício?

Se você trabalha como PJ, mas acredita que preenche os requisitos de um vínculo empregatício, é importante apresentar provas que possam demonstrar essa relação perante a Justiça. Algumas das provas incluem:

  • E-mails ou mensagens que evidenciam subordinação.
  • Extratos bancários ou holerites que comprovem a onerosidade.
  • Crachás ou cartões de visita que demonstram a pessoalidade.
  • Cartões de ponto ou testemunhas que confirmem a habitualidade

Caso você esteja passando pelas situações citadas no artigo e acredita que esteja vivendo um vínculo empregatício disfarçado de Pessoa Jurídica, consulte um de nossos advogados especializados para avaliar sua situação e tomar as melhores medidas conforme o seu caso para proteger os seus Direitos.

Atendemos todo o Brasil!

Facilitamos a nossa comunicação, você pode estar entrando em contato com um de nossos advogados especializados, clicando abaixo:

Comentários do Facebook
  • Nakahashi Advogado Trabalhista e Civil

    Receba sua
    consultoria de advogados especializados

  • Posts recentes

  • Arquivos

  • Tags