bancária ganha na justiça a 7ª e 8ª horas extras e equiparação salarial

BANCÁRIA GANHA NA JUSTIÇA A 7ª E 8ª HORAS EXTRAS E EQUIPARAÇÃO SALARIAL

Uma bancária que trabalhava como assistente comercial no Itaú Unibanco teve reconhecido na justiça o direito ao recebimento das horas extras relativas à sétima e oitava horas, além de igualdade salarial pela diferença salarial. 

Nesse caso, a ação foi julgada procedente porque a trabalhadora pôde demonstrar que, ao exercer a mesma atividade, com a mesma qualidade técnica, em relação a outro funcionário do mesmo órgão para o qual trabalhava, ela recebia um salário menor. 

Comprovou, ainda, que suas atividades não justificam a jornada diária de 8 horas exigida pelo banco, pois não possui poderes diferenciados, subordinados, poderes de comando/gestão, nem qualquer autonomia em relação aos produtos oferecidos aos clientes, realizando apenas tarefas operacionais no dia a dia. Em outras palavras, não configurava cargo de confiança.

Aqui vale destacar que um dos direitos exclusivos dos bancários é a jornada de 6 horas diárias e 30 horas semanais. Ou seja, foi possível comprovar que ela se encaixava nessa categoria e assim teria direito em receber aos valores relativos à sétima e oitava horas de trabalho.

Já com relação à equiparação salarial, o reconhecimento do direito depende do preenchimento dos requisitos aptos a este reconhecimento e da apresentação de provas. Para a equiparação salarial é necessário provar:

  • Diferença salarial
  • Identidade de tarefas/atividades
  • Mesma qualidade técnica
  • Mesma produtividade
  • Mesmo estabelecimento (vedada a indicação de paradigmas remotos)
  • Diferença de tempo na função não superior a 2 (dois) anos
  • Diferença de tempo de contrato não superior a 4 (quatro) anos (para o trabalho exercido após a Reforma

No entanto, estes requisitos não são necessários quando a empresa que possui quadro de carreira e/ou plano de cargos e salários organizado.

Além dos requisitos acima, se o salário menor for devido à comprovada discriminação por motivos de sexo e/ou etnia, caberá ainda multa em favor do empregado discriminado, no valor de 50% do teto do INSS.

Ainda ficou com alguma dúvida? Ou agora, sabendo dos seus direitos, quer consultar um advogado especializado?

A Nakahashi Advogados está há mais de 14 anos no mercado de atuação em São Paulo e na grande São Paulo, formado por advogados experientes que permite encontrar soluções inovadoras para nossos clientes. Melhor recomendação. Nossa equipe já atuou em mais de 16.753 casos.

É por isso que também usamos o WhatsApp online, fornecendo uma alternativa rápida e eficaz para nos comunicarmos

Atendemos na capital São Paulo Capital, Zona Sul SP, Zona Leste, Zona Norte, Zona Oeste, Centro, além da grande São Paulo.

Para falar com nossos advogados especialistas – Clique abaixo:

Comentários do Facebook
  • Nakahashi Advogado Trabalhista e Civil

    Receba sua
    consultoria de advogados especializados

  • Posts recentes

  • Arquivos

  • Tags