Direitos básicos do supervisor administrativo bancário

5 DIREITOS BÁSICOS DO SUPERVISOR ADMINISTRATIVO BANCÁRIO

Você é supervisor administrativo? Então essa postagem é para você!

A execução de atividades bancárias possui características próprias, e por consequência direitos trabalhistas um pouco diferentes do tradicional. Por isso preparamos este artigo para você.

O que faz o supervisor administrativo

Em via de regra, o supervisor administrativo é um profissional responsável por atuar no relacionamento de clientes. Isso inclui pessoa física e jurídica através de análises de crédito.

Além disso, é comum também que o cargo de Supervisor Administrativo tenha os nomes de assistente administrativo e gerente de assistente.

Agora vamos conhecer 6 direitos básicos desses trabalhadores?

1 – Jornada de trabalho do supervisor administrativo

Existem 3 tipos de bancários principalmente quando se trata de jornada de trabalho:

  • Bancário comum
  • Bancário com cargo de confiança médio
  • Bancário com cargo de confiança máximo

A jornada do bancário comum, regra geral, é de 6h por dia e 30h semanais.

A jornada do bancário comum é de 6h por dia e 30h semanais, que é o caso do caixa bancário, assim como de assistentes, analistas, especialistas e consultores. E é neste caso que o supervisor administrativo se encaixa!

2 – Intervalo Intrajornada do supervisor administrativo

Todo trabalhador tem direito ao intervalo mínimo de 1 hora para jornada de 8 horas e no mínimo 15 minutos para jornada de 6 horas.

Aqui vale uma explicação para os casos antes e após a Reforma Trabalhista:

Antes da Reforma Trabalhista


Até mesmo a norma coletiva não podia retirar o intervalo, pois a pausa era considerada indispensável para alimentação e descanso (com algumas profissões como exceção).

Além disso a hora do intervalo gerava reflexos trabalhistas (no 13º, nas férias, no FGTS e outros) quando não concedida.

E caso o intervalo não fosse usado integralmente, era possível requer 1 hora extra cheia, mesmo que o empregado tivesse usufruído boa parte do descanso.

Após a Reforma Trabalhista


A norma coletiva passou a poder reduzir o intervalo intrajornada para 30 minutos, mesmo que a empresa não possua refeitório.

O intervalo tem natureza indenizatória e por isso não gera reflexos trabalhistas.

E se o bancário não usufruir de 1 hora completa, ele recebe apenas os minutos faltantes para completar o tempo cheio.

3 – Adicional de Periculosidade para Bancário

3 – Adicional de Periculosidade para supervisor administrativo

O adicional de periculosidade é devido quando o trabalhador está exposto a um risco acentuado, como por exemplo morte instantânea.

O adicional é de 30% do salário recebido pelo trabalhador.

Você sabia que os trabalhadores bancários também têm a possibilidade de receber o referido adicional?

Algumas instituições bancárias costumam se instalar em prédios com geradores de energia elétrica de emergência que muitas vezes utilizam combustível inflamável (óleo diesel) para alimentação dos motores, o que aumenta o risco de explosões e incêndios nesses lugares.

O TST já reconheceu a periculosidade quando há armazenamento de produto inflamável em prédio vertical utilizado para o trabalho.

Enfim, só o juiz, através da prova pericial é capaz de definir a incidência do adicional de periculosidade a estes trabalhadores ou não.

4 – Pré-Contratação de Horas Extras

A pré-contratação de horas é um ajuste entre o empregado bancário e o banco, na hora da admissão em que as partes ajustam previamente os valores a serem pagos de horas extras.

Na prática, veja um exemplo, de como acontece:

No entanto, esse combinado de pré-contratação de horas extras não é válido para o bancário.

Mas atenção! A contratação de horas extras durante o contrato de trabalho são permitidas, o que não pode é na admissão.

5 – Equiparação Salarial do Empregado Bancário

A equiparação salarial é um direito de todo empregado, afinal todo funcionário que exerce a mesma função deve receber o mesmo valor.

A equiparação acontece quando dois trabalhadores cumprem as mesmas atividades na empresa, nas mesmas condições, mas, um recebe remuneração maior que o outro.

Nesta situação, o trabalhador que recebe o menor pode recorrer à Justiça do Trabalho para receber as diferenças salariais de acordo com o salário do outro empregado.

Contudo, para pedir equiparação salarial é preciso que os trabalhadores preencham todos esses requisitos (art. 461, CLT):

  • mesmo empregador
  • mesma função (é irrelevante que o termo do cargo seja diferente)
  • mesmo estabelecimento
  • trabalho de igual valor (mesma perfeição técnica e produtiva)
  • tempo no serviço não superior a 4 anos (novidade da Reforma Trabalhista)
  • Obs: Se o fato for anterior a 11/11/2017, esse requisito não se aplica!
    tempo na função não superior a 2 anos.
  • Obs: Mesma função é diferente de mesmo cargo

Ainda ficou com alguma dúvida? Ou agora, sabendo dos seus direitos, quer consultar um advogado especializado?

A Nakahashi Advogados está há mais de 14 anos no mercado de atuação em São Paulo e na grande São Paulo, formado por advogados experientes que permite encontrar soluções inovadoras para nossos clientes. Melhor recomendação. Nossa equipe já atuou em mais de 16.753 casos.

É por isso que também usamos o WhatsApp online, fornecendo uma alternativa rápida e eficaz para nos comunicarmos.

Atendemos na capital São Paulo Capital, Zona Sul SP, Zona Leste, Zona Norte, Zona Oeste, Centro, além da grande São Paulo.

Comentários do Facebook
  • Nakahashi Advogado Trabalhista e Civil

    Receba sua
    consultoria de advogados especializados

  • Posts recentes

  • Arquivos

  • Tags